April 15th, 2006

(no subject)



portugal é um país onde quem diz que apoia a cultura nacional apenas a enterra, bastardiza e intoxica, e onde os poucos, muito poucos, que defendem a beleza, a pureza, o sublime, o transcendente e o absoluto são evitados, "faz de conta que não ouviste ou não reparaste", rejeitados por quem eles antes ensinaram.

portugal, gosto muito de ti mas não dos teus filhos. e as tuas filhas muito deixam a desejar. do sangue, do coração e da alma de quem me gerou que se espalhou pelos ventos sobre esta terra de norte a sul para captar as luzes, os sons, as vozes e as histórias, quem há que te ame, que te prenda, que te dê valor?

há mais povo em ti do que estas criaturas que em nome do teu vermelho e do teu verde sufocam as vozes mais claras, querem roubar os horizontes mais radiantes só para si, mas há, há mais povo em ti...há em ti, portugal, o povo que eleva os olhos aos céus enquanto que o vento leva o murmúrio eléctrico dos cabos...há em ti a tua filha que guarda nas mãos uma gramínea, a mão cerrada da qual ninguém lha há-de tirar, há em ti o teu filho que venera o chão que pisa a mulher amada, que se encontra numa paisagem longínqua nas sombras de uma sala como uma ligeira alma vagueante, eterna.





"a peça Crosswires é a mais recente do projecto ZLKNF vai ser retransmitida em dose máxima na Sociedade Guilherme Cossoul em Lisboa no próximo dia 21 entre as 19 e as 22:30. a peça Crosswires corresponde a três horas de composição, programação e transmissão ininterrupta e foi composta para sequenciador, moviola virtual, laptop, instrumentos de metal, recolhas de campo e alaúde eléctrico.
Iana Reis compõe desde 1999, trabalha com recolhas de campo, pesquisa sonora e imagética desde cerca de 1996, é formada em Cinema e Som pelo Conservatório Nacional. as suas fotografias (belíssimas, puras, pungentes) estão expostas no mesmo local até dia 22. abri os olhos e dai as boas vindas à boa maneira tão nobre a que o seu sangue nortenho obriga."